Basquete e Psicologia do Esporte

basqueteUm dos esportes mais mentais que já pude trabalhar, o basquete surpreende pela agilidade e precisão exigidas nos jogos.

Cada posição – em quadra – apresenta demandas físicas, táticas, técnicas e psicológicas. Atenção periférica e ampla são comuns aos atletas. Especialmente os armadores que necessitam dominar o momento próximo a si (condução de bola) e, ao mesmo tempo, tomar decisões rápidas e precisas no momento do passe. Do mesmo modo, alas e pivôs também necessitam de rápida capacidade de decisão, foco e antecipação.

As técnicas de biofeedback e neurofeedback capacitam e fortalecem todas essas capacidades psicológicas fundamentais para o bom rendimentos dos atletas.

Além das demandas individuais, o basquete oferece o desafio do trabalho em grupo – comunicação, coesão e motivação são temas pertinentes aos grupos esportivos. Parceria, compreensão e comprometimento são temas a ser trabalhados na rotina dos treinamentos.

Uma equipe com boa preparação física – bem conduzida técnica e taticamente – além de um preparo psicológico individualizado – sem perder o foco dos mecanismos grupais produz resultados importantes. Para isso, é preciso reconhecer – apesar das necessidades de resultados e da vigência do esporte empresa – que o atleta é, antes de mais nada, um ser humano.

Partindo desse princípio, tudo fica mais viável.

Escrito por João Ricardo Cozac
Qua, 12 de Fevereiro de 2014